3 de novembro de 2010

Global Sports Industry Summit

Dia 01 de Outubro participei da sessão de abertura do "Global Sports Industry Congress" em Londres. O evento foi promovido pela UKTI - UK Trade Investment, agência de promoção do país. 

A introdução mereceu a informação sobre as eleições presidenciais da noite anterior, quando elegemos nossa primeira mulher Presidente. A platéia aplaudiu!
O painel tratou das agora chamadas pelo mundo esportivo de "nações emergentes nos esportes". Participaram do debate o Ministro da Juventude e Esportes da Turquia, Faruk Nafiz; o CEO do Comitê Organizador dos Jogos de Inverno
de Sochi na Rússia, Dmitry Chemysshenko; o Secretário Geral da Confederação Mundial de Basketball e membro do Comitê Olímpico Internacional.
Falei sobre os fundamentos econômicos sólidos para o crescimento do Brasil e a diminuição das desigualdades sociais que geram uma nova classe média no Brasil, um grande mercado consumidor.
O cenário macro-econômico do país dá mais credibilidade aos investidores e empresas que querem fazer negócios nos eventos esportivos.
Durante o debate, temas relacionados ao fato de serem países emergentes a realizar grandes eventos esportivos foram abordados por diversas perspectivas:  Como o mundo pode conhecer melhor esses países ainda com muitos esteriótipos? Como países que vão sediar eventos estão tratando dos temas ligados à segurança, estabilidade econômica ? Os grandes eventos esportivos são oportunidades para esses países ou "presentes" das entidades internacionais ?
Salientei que o mundo vive um momento diferente, onde os países emergentes passam a participar de decisões importantes, com grandes mercados internos de consumo e possibilidades de negócios em diversas áreas.
Mesmo no caso do Brasil, o Presidente Lula colocou diversos temas políticos e econômicos como prioritários em sua agenda, dentre eles, a captação
dos Jogos Rio 2016 para o continente sul-americano. 
Falei também dos impactos econômicos dos eventos na economia do Brasil, de seus objetivos objetivos esportivos e dos valores do movimento olímpico, e da atração de mais e novos negócios para o Brasil.
Aproveitei para explicar como funcionam as estruturas de parcerias entre os diversos níveis de governo e o Comitê Organizador da Copa 2014 e a Rio 2016
como forma de parceria, monitoramento e entrega das garantias que o país se responsabilizou com as entidades.
Finalizei mencionando os grandes desafios que virão que frente e que o Brasil pensa em seus objetivos estratégicos para antes, durante e depois dos grandes eventos.

1 comentários:

Carl disse...

JP trabalhando muito parabens promocionando nossa Brasil
Gostei de conteudo da palestra
Carl

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger